Publicado em Deixe um comentário

IGE não faz diagnóstico de alergia alimentar!

Esse é um assunto recorrente. Infelizmente, de forma frequente vejo pessoas – especialmente crianças, o que é mais grave – privando-se de alimentos importantes porque o médico pediu um exame de IgE que deu positivo.
Mas a prática da Alergia não é simples assim!!! O diagnóstico da doença alérgica não pode se basear apenas num resultado positivo de um exame. É o conjunto que importa e especialmente a clínica do paciente, ou seja, seus sinais e sintomas.
Então, vamos falar mais uma vez. ALERGIA A LEITE (E OUTROS ALIMENTOS) NÃO OCASIONA:
• Resfriados de repetição
• Excesso de muco
• Infecções de ouvido
• Pneumonias
• Infecções de garganta
• Baixa de imunidade
Alergia a leite pode dar:
• Anafilaxia
• Proctocolite e/ou colite alérgica
• FPIES ( enterocolite alérgica)
• Esofagite eosinofílica
• Outros problemas gastrointestinais (cólicas do lactente, refluxo gastroesofágico. Mas, cuidado! Nem sempre é a alergia que está por trás disso!)
• Dermatite atópica
• Urticária aguda
O leite de vaca (LV) pode ser responsável por problemas respiratórios? Sim, desde que associados numa crise aguda de anafilaxia. Ou seja, uma criança alérgica a LV que ingira o mesmo, ainda que em quantidades pequenas, pode começar a ter crise de espirros, tosse, chiado (broncoespasmo), urticária, vermelhidão no corpo todo, coceira, inchaço, queda de pressão, palidez…pode até ter parada cardíaca. Mas dá para entender que os sintomas respiratórios aparecem num outro contexto?
Definitivamente, a alergia a LV não ocasiona asma e rinite crônicas quando esses sintomas são isolados. A rinite pode ocasionar resfriados de repetição, infecções de ouvido, excesso de muco, etc. A asma pode facilitar pneumonias e a criança fica com chiado e falta de ar. Mas tudo isso não tem relação com APLV (alergia a proteína do LV). Asma e rinite são frequentemente (mas não em todos os casos) causadas por aeroalérgenos (pó, ácaros, polens, etc). O lactente sibilante é um diagnóstico complexo. São bebês que chiam quase o tempo todo, frequentemente estão com problemas respiratórios, e precisam de diagnóstico correto. Pode ser asma, mas o mais comum são as viroses respiratórias (destacando-se aqui as bronquiolites). Refluxo gastroesofágico, imunodeficiências e até malformações podem estar por trás do quadro clínico dessas crianças.
Acontece que crianças com asma e rinite frequentemente têm atopia. E pessoas atópicas produzem muita IgE. É comum vermos crianças (e adultos também) com asma e rinite que têm IgE positiva para leite e outros alimentos. ISSO NÃO SIGNIFICA QUE ELAS TENHAM DE FATO ALERGIA A LEITE.
IgE positiva significa sensibilização alérgica, mas não necessariamente alergia.
Ou seja, alguém com IgE positiva e sem sintomas relacionados a alergia alimentar não tem necessidade de ser privado(a) desse alimento. Na dúvida, o(a) alergista fará um teste de provocação, mas nunca um bom profissional proibirá por tempo indefinido um alimento tão importante e consagrado em nosso meio sem uma comprovação diagnóstica, baseando-se apenas um exame laboratorial.
Aliás, isso é duplamente ruim: além dos aspectos nutricionais e sociais que essa privação acarreta, existe atualmente um consenso entre alergistas que há uma janela de oportunidade imunológica onde o alimento é tolerado, ao invés de ser reconhecido como alergênico. Isso significa que perdendo a oportunidade de experimentar esse alimento durante essa janela (que vai de 3 meses até o final do primeiro ano de vida, aproximadamente), é mais provável que esse indivíduo se torne de fato alérgico.
Privar crianças (e adultos também) de se nutrirem com este ou aquele alimento baseando-se APENAS na IgE positiva é um erro, uma iatrogenia, que deve ser evitada e que ocasiona sofrimentos desnecessários para o(a) paciente e sua família.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *